Exército ianque perde o controlo de Bagdade

5 de Junho de 2007

A imprensa norte-americana reconheceu pola primeira vez que o seu exército ocupante do Iraque nom controla dous terços da capital, apesar de ter incrementado a sua presença lá nos últimos quatro meses. De facto, as mortes de soldados imperialistas som cada vez mais abundantes: 17 em 72 horas no último fim de semana.

A informaçom de The New York Times parte de informes militares, que confirmam que só controlam 146 sectores dos 457 em que dividem Bagdade. O ritmo de mortes de ianques no Iraque em Maio foi de 4 por dia (127 ao longo do mês).

Nos primeiros dias de Junho já caírom 17 ocupantes em ataques guerrilheiros das forças patrióticas iraquianas, mediante explosons de dinamita em caminhos e estradas, principalmente na capital do Iraque. Os operativos de segurança contínuos das forças imperialistas e das vendidas do governo fantoche iraquiano som cada vez menos efectivas no controlo da situaçom, incluindo-se ataques e tentativas de ataque insurgente à zona verde, a mais protegida de Bagdade por localizar-se nela as instalaçons centrais do poder colonial.

O tenente-coronel Christopher Garver, do comando ocupante, reconheceu que se achega um Verao em que "a luita será dura", com umhas forças insurgentes cada vez mais poderosas e um exército ocupante que nom quer admitir a evidência da sua derrota.

De facto, o imperialismo tenta negociar com a dirigência resistente, que por sua vez combate em simultáneo contra as forças ianques, iraquianas vendidas e integristas de Al Qaeda. Porém, as forças patrióticas negam-se a qualquer negociaçom que nom passe polo abandono do país por parte do imperialismo norte-americano.

 

Voltar à página principal