Seguirá Zapatero os passos de González e Aznar?

31 de Dezembro de 2006

A explosom de umha carrinha carregada de explosivos num dos parques de estacionamento do aeroporto de Madrid pom termo a este ano com todas as incertezas sobre o processo aberto entre o movimento independentista basco e o Estado espanhol em Março, graças à iniciativa da ETA.

A nula vontade demonstrada na prática nestes meses polo Governo de Zapatero para superar definitivamente o confronto violento foi patente nas numerosas detençons, proibiçons de actos soberanistas, ameaças ao movimento abertzale e especialmente no contínuo assanhamento com o colectivo de presos e presas bascas, sendo o caso de Iñaki de Juana paradigmático do que afirmamos.

A partir da distáncia e sem ocultarmos o nosso apoio às ánsias de liberdade do povo basco, dá a impressom de que a cobardia do Governo de Zapatero, as suas contínuas cedências aos sectores ultra do Estado espanhol, a começar pola direcçom do principal partido da oposiçom, podem vir a arruinar umha possibilidade histórica de solucionar um dos mais claros e graves défices democráticos espanhóis.

Em lugar disso, Zapatero parece querer seguir o encalço de Felipe González e José María Aznar, insistindo na estratégia de levar o projecto independentista basco à simples rendiçom. A ETA reafirmou ontem mesmo que isso nom vai acontecer, e esperamos que seja possível ainda reconduzir a grave situaçom criada para a negociaçom de umha saída democrática ao contencioso histórico entre o povo basco e o Estado espanhol.

 

Voltar à página principal