Vigo: povo trabalhador enfrenta precariedade e repressom

8 de Maio de 2007

O patronato, em colaboraçom com as instituiçons públicas e as forças repressivas do Estado, tentam a toda a custa afogar os protestos maciços do povo trabalhador no sul da Galiza, com Vigo como epicentro da greve indefinida. Tres obreiros fôrom já detidos, suspeita-se que devido ao labor de infiltraçom das forças repressivas no interior das mobilizaçons de milhares de trabalhadores e trabalhadoras do sector naval, acusados de "distúrbios".

Os detidos som trabalhadores de empresas auxiliares, as que mais duramente imponhem condiçons draconianas e temporariedade ao pessoal. Manifestaçons, fechos no interior de sedes oficiais e outras medidas de pressom sucedem-se em demanda do cumprimento dos acordos assinados polos empresários e os representantes sindicais há agora um ano, entre eles, fixar em 45% o mínimo de pessoal empregado com contrato sem termo.

A atitude de desprezo por parte patronal e a inibiçom institucional está a provocar a intensificaçom das legítimas medidas de protesto dos trabalhadores, enquanto os meios de comunicaçom fam coro acusando de "vandalismo" os milhares de pessoas que luitam polos seus direitos laborais.

Lançamos daqui todo o nosso apoio à justa luita dos companheiros e companheiras do naval do sul da Galiza. A história, inclusive a mais recente, confirma que só a luita leva a conquistas verdadeiras e duradouras nos direitos da nossa classe.

 

:: Mais informaçons sobre o mesmo tema

Sector naval do sul da Galiza volta à luita nas ruas. (+...)

 

Voltar à página principal