Governo espanhol estuda ofensiva contra as pensons

10 de Fevereiro de 2007

O principal assessor da presidência do Governo de Espanha, David Taguas, propujo umha série de medidas de teor neoliberal para favorecer as burguesias a custo de novos sacrifícios das classes populares. Destaca o atraso da reforma aos 70 anos e o cômputo de toda a vida laboral na hora de fixar as pensons e outras prestaçons (actualmente contabilizam-se os últimos 15 anos em activo). Desse jeito, garantiria-se umha reduçom das mesmas.

Além do dito, Taguas propujo que seja reduzido o aumento anual das pensons, ficando por baixo do IPC, contra o que actualmente marca a Lei de pensons. As propostas do assessor económico de Zapatero figuram num artigo publicado na revista da Fundación de Cajas de Ahorro (FUNCAS), organismo da burguesia financeira espanhola, e fôrom divulgadas também no jornal de Prisa, El País, sustento comunicativo do PSOE.

O objectivo dessas reformas seria evitar que as pensons "incorram em défice" entre 2011 e 2015, devido ao aumento do peso das prestaçons contributivas no Produto Interno Bruto (PIB), o que seria solucionado com o que Taguas eufemisticamente chama "contençom do gasto [social]". As propostas desse falcom das finanças e assessor do Governo do PSOE em Madrid apontam para novas agressons neoliberais às condiçons de vida da maioria social nos povos que, como o galego, ficam submetidos pola soberania espanhola.

 

Voltar à página principal

 

 

David Taguas, de subdirector do Serviço de Estudos do BBVA a assessor económico de Rodríguez Zapatero