PSOE e BNG boicotam defesa da língua em Compostela

16 de Dezembro de 2006

É apenas um caso simbólico, mas que pola sua prolongaçom no tempo e teimosia (por ambas partes), acaba por reclamar umha denúncia pública firme.

A entidade cultural "A Gentalha do Pichel", destacada polo seu constante labor cultural e de defesa da língua na capital da Galiza, fai umha e outra vez, nos últimos meses, o mesmo mural no mesmo muro de blocos de cimento com a "subversiva" legenda "Compostela, 100% em galego".

A resposta do Governo municipal é, umha e outra vez, a mesma: apagar ou inclusive borrar o mural, dentro da sua política de perseguiçom contra a livre expressom da vizinhança, se nom for mediante o pagamento das vias publicitárias disponíveis como corresponde a umha economia de "livre mercado" como a vigorante na Galiza.

O mural do bairro de Santa Clara é cada vez mais conhecido na cidade e até fora dela, e pom de manifesto o conceito de democracia e "participaçom cidadá" das duas forças "governantes" e "progressistas" governantes em Compostela: PSOE e BNG, que cada vez fam mais difícil a vitória do PP nas eleiçons municipais, pois ocupam cada vez mais claramente o seu espaço e levam à prática os seus mesmos comportamentos políticos.

Mas o caso é mais chocante, ao acontecer a nova sabotagem institucional poucos dias depois de que representantes da Cámara Municipal anunciassem importantes subsídios para entidades normalizadoras afins, alegadamente destinadas a umha aproximaçom galego-portuguesa que em nengum caso praticam no dia a dia, nem o Governo municipal, nem as entidades receptoras do suculento prémio económico.

Entretanto, as entidades populares verdadeiramente defensoras da língua e praticantes da aproximaçom galego-portuguesa, mas independentes das instituiçons e dos partidos empoleirados a elas, continuam a enfrentar nom apenas o boicote económico das instituiçons públicas, mas inclusive a sabotagem contra actuaçons como o mural de Santa Clara. Ver para crer.

 

Voltar à página principal