Imperialismo ianque assassina 7 crianças no Afeganistám

18 de Junho de 2007

A escusa de "perseguir Al Qaeda" serviu mais umha vez para assassinar inocentes em território afegao. Desta vez, as forças "pacificadoras" ianques realizárom um ataque aéreo indiscriminado na província afegá de Paktika, contra umha escola coránica e umha mesquita, assassinando impunemente sete crianças, no meio de um número ainda indeterminado de civis sem qualquer relaçom com a força islamista que os imperialistas diziam perseguir.

Os criminosos norte-americanos explicárom, em palavras do seu porta-voz Chris Belcher, que essa província "serve de refúgio à Al Qaeda e aos talibám", o que daria às forças ocupantes legitimidade para matar populaçom civil, crianças incluídas.

Os últimos massacres semelhantes de que tivemos notícia fôrom em Maio, com 21 civis assassinados, e em Abril, quando 50 civis afegaos fôrom também assassinados polas forças da NATO que lidera o exército ianque. Porém, no que levamos de ano, já fôrom reconhecidas mais de 380 mortes de civis em ataques da coligaçom ocupante, num total de 2.000 vítimas feitas directamente por essas forças, em que se integram, lembremos, os mercenários espanhóis enviados ao país, recentemente aumentados em 50 efectivos por decisom do governo do PSOE.

Ao todo, o imperialismo mantém 15.000 efectivos militares em território afegao, 13.000 deles norte-americanos, mas a resistência à ocupaçom de aquele povo impede a total conquista do país polo imperialismo.

 

Voltar à página principal