Apodrecimento imperial

8 de Junho de 2007

Oferecemos um artigo de opiniom de James Petras, publicado nos portais Counterpounch e Resistir, dedicado fazer balanço da ofensiva imperialista iniciada com o ataque de 2003 ao Iraque.

Apodrecimento imperial

James Petras

Washington delineou em linguagem explícita os seus planos para se envolver em guerras seqüenciais no Médio Oriente, no Sudoeste e Nordeste da Ásia e nas Caraíbas. De acordo com a doutrina militar ofensiva das 'Guerras antecipativas' (pre-emptive) e da 'Guerra global contra o terrorismo', a busca polos Estados Unidos de conquistas militares foi apoiada por Israel, Gram-Bretanha e vários recém-incorporados Estados clientes da Europa Oriental. O grandioso esquema de conquista do mundo da Casa Branca foi orquestrado e prematuramente celebrado polos principais responsáveis Sioncon (Sionistas conservadores) incrustados no Pentágono, na Casa Branca e no Conselho de Segurança Nacional.

Contodo, o caminho para as guerras imperiais de conquistas foi literalmente travado no próprio ponto de partida: o Iraque e o Afeganistám. A seguir à invasom e ocupaçom americana do Iraque e do Afeganistám, umha resistência armada maciça emergiu da clandestinidade, ajudada por um apoio civil generalizado. Grandes maiorias da opiniom pública, comunidades religiosas importantes, militantes sindicais, associaçons de pequenos negócios e organizaçons com base em comunidades de vizinhança opugérom-se a cada passo, activa e passivamente, às forças de ocupaçom dirigidas polos EUA, proporcionando apoio logístico e inteligência à resistência armada e à nom violenta. Tais desenvolvimentos tivérom lugar numha fase posterior no Afeganistám. Apesar de medidas draconianas, incluindo o bombardeamento de centros populacionais, sistemáticas rusgas em massa de civis seguidas por torturas brutais, os militares americanos fracassárom na consolidaçom do seu domínio através de regimes fantoches. Como a resistência cresceu, os esforços de Washinton para fomentar a guerra sectária étnico-religiosa e a fragmentaçom territorial fracassárom. No fim de 2006, estava claro que a única conquista de território do exército imperial eram os bunkers na chamada 'Zona verde'. Em 2007 Washington escalou o seu comprometimento com tropas num esforço desesperado a fim de evitar a derrota iminente e recuperar a perda maciça de apoio interno.

De umha perspectiva histórica mundial, a resistência iraquiana e afegá frustrou com êxito a busca por Washington da dominaçom mundial da parte através de umha série de guerras ofensivas. O êxito dos movimentos de libertaçom nacional levárom a umha super-extensom das forças armadas imperiais dos EUA, enfraquecendo esforços para lançar as programadas guerras no terreno contra o Irám, a Síria e alhures. A resistência prolongada levou ao crescimento da oposiçom interna em face das infindáveis baixas americanas e do disparo nos custos financeiros.

A desmoralizaçom da infantaria americana e da Guarda Nacional impediu Washington de dar seqüência ao seu fracassado golpe contra o presidente venezuelano Hugo Chávez através de umha invasom militar directa.

A prolongada guerra no Afeganistám, a deteriorar-se, com os avanço dos combatentes guerrilheiros reagrupados, especialmente entre a populaçom civil, levou a coligaçom colonial controlada polos EUA a dedicar-se ao bombardeamento indiscriminado de civis, aumentando o crescimento da resistência anti-colonial.

O êxito dos movimentos de resistência no Iraque e no Afeganistám e a atracçom dos seus exemplos encorajou novas e formidáveis luitas anti-coloniais, lideradas polo Hizbollah no Líbano, polo Hamas na Palestina, pola Uniom de Tribunais Islámicos na Somália, assim como endureceu a resoluçom dos líderes iranianos de resistir às exigências americanas de suspenderem unilateralmente o seu programa nuclear. Em pontos mais distantes, o enfraquecimento da capacidade interventora global dos militares americanos aliviou a pressom sobre os governos progressistas na Venezuela e na Cuba revolucionária. A consolidaçom do governo nacionalista-populista venezuelano tivo um poderoso impacto de demonstraçom por toda a América Latina, encorajando novos movimentos anti-imperialistas e governos dissidentes no Equador e além. Numha batalha de ideias, programas, ajuda externa e solidariedade, Bush está a perder para o presidente Chávez. Incapaz de lançar umha invasom militar em plena escala, para eliminar o governo Chávez, Washington fracassou em equiparar-se aos vastos subsídios em petróleo da Venezuela e nas prometidas propostas de integraçom alternativa: a ALBA prevaleceu sobre a ALCA.

O fracasso da vontade de Washington quanto a um império mundial levou ao encolhimento do seu poder relativo em comparaçom com a situaçom global anterior a 2001. E em grande parte isto se deve à capacidade de combate e à resistência organizada no Iraque e no Afeganistám: Ambos demonstraram que, apesar da grande acumulaçom de armas para a guerra tecnológica e apesar dos monopólios de propaganda dos media, as guerras som decididas no terreno, polas maiorias populares directamente afectadas. Som elas que ponhem em movimento a conversom das entusiásticas maiorias internas nos EUA, favoráveis à guerra, em desmoralizadas minorias; som elas que dam determinaçom e resiliência aos governos do Médio Oriente vacilantes entre a colaboraçom e a rejeiçom das potências coloniais.

 

 

Voltar à página principal