Diferença na esperança de vida entre os países do centro capitalista e os empobrecidos aumenta

8 de Setembro de 2007

Como do costume, apresentamos dados da própria oficialidade capitalista, que som os únicos disponíveis, embora mereçam sempre algumha cautela quanto à sua fiabilidade. A Organizaçom Mundial de Saúde (OMS) apresentou as conclusons de um estudo comparativo entre os períodos 2000-2005 e 1970-1975, relativos à esperança de vida no mundo.

Os dados afirmam que aumenta o fosso que afasta, nesse parémetro de desenvolvimento, os países do centro capitalista e os que formam o chamado "terceiro mundo", concretamente na África Sub-saariana. No primeiro caso, países como a Inglaterra aumentárom em sete anos a esperança de vida da sua populaçom, e no segundo o aumento foi de apenas quatro meses. O mesmos pode dizer-se de regions como as ex-repúblicas soviéticas, que perdem posiçons na tabela do desenvolvimento social humano.

O próprio estudo, que será apresentado no próximo mês de maio mas que já foi comentado polo presidente da Comissom da OMS sobre as Determinantes Sociais da Saúde, assegura que as desigualdades sociais estám na raiz dessa situaçom, que leva a umha crescente deterioraçom das condiçons de saúde nos países empobrecidos face aos do núcleo de países privilegiados polos sistema.

A OMS tem determinado em diferentes estudos que inclusive dentro dos países ricos existe umha diferença na esperança de vida entre as classes altas e os habitantes de bairros pobres das periferias do centro capitalista. O presidente da OMS, Michael Marmot, explicou que um habitante pobre de Glasgow (Escócia), por exemplo, tem umha esperança de vida de 54 anos, o que representa menos da média de esperança de vida na Índia.

Marmot apontou ainda três aspectos determinantes para o progresso nesse parámetro de desenvolvimento: a criaçom de condiçons materiais básicas, como a roupa e a comida; o aspecto psico-social, em termos de controlo sobre a própria vida; e a vertente política, que possibilite às pessoas excluídas terem voz nas respectivas sociedades.

 

Voltar à página principal