Estudantes da Galiza, Euskal Herria e Països Cataláns lançam manifesto conjunto contra a repressom

20 de Maio de 2008

As organizaçons estudantis independentistas da Galiza, do País Basco e da Catalunha difundírom, com motivo de um encontro internacional promovido polo catalám SEPC, um documento em que se denunciam as políticas repressivas espanholas e a criminalizaçom do estudantado das três naçons sem estado submetidas polo Estado espanhol.

Reproduzimos a seguir o texto completo da declaraçom, assinada no nosso país por AGIR:

Três povos em luita nas aulas. A repressom nom nos vai deter

Ikasle Abertzaleak (IA), AGIR e o Sindicat d’Estudiants dels Països Catalans (SEPC), organizaçons estudantis independentistas basca, galega e catalá respectivamente, querem denunciar a estratégia de criminalizaçom e repressom que nos últimos tempos sofrem contra a luita para lograr um sistema educativo nacional, popular e público.

As identificaçons e julgamentos a estudantes dos Països Catalans por queimarem fotos dos monarcas espanhóis, por se manifestarem contra o Plano de Bolonha o por denunciarem a sociedade e o ensino patriarcais, as detençons indicriminadas e a violência policial contra estudantes de Euskal Herria que combatem a privatizaçom da universidade pública, ou os expedientes e detenços de estudantes galegos que denunciavam a presença de partidos totalitários e espanholistas nas universidades som só alguns dos exemplos da situaçom de excepcionalidade que sofrimos diariamente os e as estudantes organizad@s das respectivas naçons oprimidas.

Estes dias em que muitos lembram com melancolia a combatividade do 68, o movimento estudantil galego, basco e catalám reafirma-se na necessidade da luita estudantil, motor hoje como onte, das transformaçons sociais. Esta luita, longe de ser criminalizada merece ter todas as garantias democráticas, e é a sua violaçom o que está a causar os distintos conflitos.

É precisamente perante este contexto que, como organizaçons estudantis independentistas, nos unimos para denunciar esta situaçom e para comunciar que, malia os intentos de deter a nossa luita nos centros de encino, comprometemo-nos a seguir as tarefas sindicais e organizativas que levamos a cabo dia trás dia para assim atingir os nossos objectivos.

Atingir um modelo de ensino nacional próprio, livre de imposiçons do imperialismo

Conseguir que este novo sistema próprio responda às necessidades do Povo Trabalhador, seja antipatriarcal e de qualidade.

Aportar a força do movimento estudantil na luita de libertaçom social e nacional dos nossos Povos.

Seguiremos a luitar junt@s com os colectivos da Europa toda com o objectivo de pararmos o processo de mercantilizaçom e de homogeneizaçom cultural que nos impom o EEES (Espaço Europeu de Ensino Superior); seguiremos a combater o fascismo faculdade por faculdade e escola por escola; e nom descansaremos nunca na nossa luita contra as imposiçons do estado espanhol e do capital.

Nengum tipo de repressom nos deterá! A luita é o único caminho!

4 de Maio de 2008

 

Voltar à página principal