O exemplo basco: soberanismo unido consegue resultado histórico nas eleiçons francesas

11 de Junho de 2007

Vencendo todo o tipo de inércias históricas, a esquerda soberanista conseguiu articular umha coligaçom eleitoral que apresentou neste fim de semana um discurso unido ao eleitorado dos territórios bascos do norte. O resultado foi histórico: 10.781 votos e mais de 8% dos votos, convertendo-se Euskal Herria Bai (nome da coligaçom eleitoral) na quarta força eleitoral, a seguir às três grandes forças estatais francesas.

A história do movimento abertzale no País Basco sob administraçom francesa (Ipar Euskal Herria, como é conhecido em euskara), é a história de um movimento minoritário, com umha força social reduzida e umhas forças políticas divididas e com mínima presença institucional.

Daí a importáncia do resultado do passado domingo, por parte de umha coligaçom de partidos bascos formada por Batasuna, Abertzalen Batasuna e Eusko Alkartasuna, da qual só ficou excluída o PNB.

Os meios bascos coincidem em assinalar as boas perspectivas que a unidade das forças soberanistas em torno de uns mínimos abrem de cara às próximas eleiçons municipais, nomeadamente em alguns concelhos concretos. Ao ter sido ultrapassado o resultado somado que cada umha das forças integrantes vinha conseguindo por separado, inclusive se forem contabilizados os votos que véu obtendo o PNB.

A coligaçom Euskal Herria Bai apresentou ao eleitorado um programa com três eixos fundamentais: a reivindicaçom de um quadro institucional próprio, a cooficialidade do euskara e a "dotaçom de instrumentos democráticos e políticos para os habitantes dos territórios bascos poderem aplicar um desenvolvimento equilibrado".

O exemplo basco, no território onde menor implantaçom tem o movimento soberanista, deve constituir mais um elemento de análise para a esquerda soberanista galega, em relaçom à sua incapacidade de estabelecer espaços comuns de intervençom social, política e eleitoral.

 

Voltar à página principal