Hospitalizado em estado grave independentista basco após ser detido pola Guarda Civil

7 de Janeiro de 2007

Um dos dous últimos jovens detidos pola Guarda Civil espanhola na vila basca de Arrasate tivo que dar entrada no Hospital Donostia em estado grave, com duas costelas rotas e rotura pulmonar, além de hematomas em todo o corpo e umha hemorragia no olho esquerdo.

As graves lesons fôrom-lhe produzidas durante o período de incomunicaçom previsto na antidemocrática Lei Antiterrorista, habitualmente aplicada polas forças repressivas espanholas a independentistas acusad@s de "terrorismo".

O jovem ferido, Igor Portu Juanena, acusado de pertencer à ETA, terá sido brutalmente espancado aproveintando os 5 dias de total incomunicaçom, até ser conduzido a um centro médico perante a gravidade das lesons.

No mês passado registou-se também um caso de denúncia de brutais torturas a um independentista basco acusado de pertencer à ETA, incluídos vexames de todo o tipo, mas entom o caso foi silenciado ao nom ser necessário conduzi-lo a um centro médico.

Desta vez, os habituais maus tratos a detidos em instalaçons das forças policiais espanholas ficam em evidência enquanto as explicaçons contraditórias oferecidas nos meios de comunicaçom falam de que "magoou umha costela ao opor resistência no momento da detençom".

A ONG Amnistia Internacional denuncia ano após ano a existência de torturas a detidos no Estado espanhol, sem que até hoje tenham sido tomadas medidas para mudar esse "hábito" das forças repressivas espanholas.

Na altura em que redigimos estas linhas, NÓS-Unidade Popular é a única formaçom política galega que fijo pública a sua denúncia dos factos, pedindo a derrogaçom da legislaçom antiterrorista.

 

Voltar à página principal