Iniciativas galegas apoiam Revoluçom Cubana

20 de Dezembro de 2007

Com o nome do histórico independentista galego residente em Cuba nos anos vinte do passado século, a nossa esquerda independentista acaba de lançar umha nova iniciativa internacionalista para aprofundar no conhecimento do processo revolucionário cubano e na solidariedade com esse povo irmao: a Brigada Galega Fuco Gomes.

A Brigada galega Fuco Gomes é um colectivo internacionalista de solidariedade com Cuba conformado por militantes e simpatizantes da esquerda independentista galega.

Segundo a definiçom que figura no blogue já habilitado, a Brigada defenderá "a Revoluçom Cubana e a solidariedade com o povo cubano através do conhecimento directo do processo revolucionário em marcha desde 1959 e a difusom na Galiza da realidade Cubana e a da sua Revoluçom".

A Brigada difundiu um Manifesto que a seguir reproduzimos na íntegra:

Manifesto

O capitalismo, que na sua actual fase de desenvolvimento tem atingido a prática totalidade da Terra, inça o mundo de exploraçom, opressom, miséria, fame, poluiçom e carnificinas. A concentraçom da riqueza em cada vez menos maos, consequência directa deste desumano meio de produçom, está a dar lugar a um incremento constante da desigualdade e das injustiças mais obscenas.

Aliás, o saque planetário nom é apenas um perigo para os povos que o capitalismo tem condenado à ruína absoluta, senom que por primeira vez na história da humanidade os estudos elaborados por cientistas e perit@s coincidem em assinalar, sem hesitaçom algumha, a inevitável desapariçom futura dos seres humanos pola devastadora crise ecológica em que o esbanjamento capitalista está a mergulhar o planeta.

A juventude, as mulheres, a classe trabalhadora, os povos neste prefácio do século XXI tem o dever histórico de denunciar este selvagem presente e aterrador futuro. A nossa sinceridade revolucionária tem de nos levar a deixar a pele por inverter esta dramática situaçom, contribuir à derrota mundial do capitalismo, quer dizer, apostar na vida, e nom na morte à que nos conduz o caminho actual.

Desde a Galiza, a esquerda independentista tem a firme vontade por achegar os graozinhos de areia que forem precisos para derrubar esta prisom. E somos conscientes que na batalha polo fim das opressons e a consecuçom da justiça social a luita polo reconhecimento do direito democrático de autodeterminaçom dos povos ocupa um lugar basilar. A autodeterminaçom é a chave que abre as portas à soluçom de centenares de conflitos planetários. Daí as grandes dificuldades para que o seu reconhecimento seja efectivo num Estado como o espanhol onde direitos democráticos fundamentais continuam a ser negados hoje e onde a perseguiçom policial aos colectivos políticos e sociais tem alcançado umha alarmante normalidade.

Contodo, também somos conscientes da necessidade que tem um/ha revolucionári@ de ser internacionalista e exercer o internacionalismo. O internacionalismo como imperativo estratégico no combate contra o imperialismo, ou como dizia o Che, símbolo por excelência da luita internacionalista, como a capazidade por “experimentar a angústia quando um homem é assassinado em qualquer parte do mundo e celebrar quando se ergue em qualquer parte umha nova bandeira de liberdade”.

Nós nom temos remorsos de consciência. Nom pretendemos ajudar @s condenad@s do planeta desde a comodidade como fam os acólitos do capitalismo ou gentes desnortadas. Nós temos claro que estamos à outra beira da trincheira. Que temos um compromisso vital com a causa d@s orpimid@s e com a revoluçom socialista mundial.

Por isto a esquerda independentista galega através da Brigada galega Fuco Gomes de solidariedade com Cuba trabalhará por fortalecer os laços revolucionários com povos como o cubano, referenciais para todo o povo trabalhador galego e para a classe operária mundial. Exercendo o internacionalismo como um acto anti-imperialista e anticapitalista, dando a conhecer a luita do povo galego em todo o mundo. Porque há muitos povos no mundo... mas apenas umha luita.

Galiza, Setembro de 2007

Acto comemorativo dos 49 anos de Revoluçom Cubana em Compostela

Ainda em relaçom à luita revolucionária cubana, a Associaçom de Amizade Galego-Cubana Francisco Vilamil organiza junto ao Consulado de Cuba na Galiza um acto político-festa no quadragésimo nono Aniversário do Triunfo da Revoluçom Cubana.

O acto, que começará às 20h30, decorre no próximo sábado 22 de Dezembro, no Local Sociocultural do Castinheirinho, na Capital da Galiza. Além do acto político em que se lerám os apoios à Revoluçom Cubana, intervirá Alejandro Fuentes, Cônsul Geral da República de Cuba, e finalmente haverá umha festa cubana.

As entidades da esquerda independentista, incluído o nosso partido, participarám nessa iniciativa de apoio ao irmao povo de Cuba e à sua digna luita anti-imperialista e revolucionária.

 

Voltar à página principal