Compostela: Activistas LGBT lançam 'a Paixom de Maricrista'

24 de Março de 2008

Umha original iniciativa popular de pessoas trans, lésbicas, gays e bissexuais denunciou por meio de umha performance em Compostela o papel machista e homofóbico da Igreja católica.
Activistas aproveitárom estas datas tam assinaladas para o catolicismo, a Páscoa, em que os valores patriarcais mais rançosos tenhem como palco as ruas das nossas cidades, subsidiados aliás por dinheiro público. Neste contexto surge “A Paixom de Maricrista”, umha iniciativa convocada por sms e e-mail que deu umha nota de cor e liberdade às ruas de Compostela.

Perante dezenas de visitantes e compostelanas e compostelanos que esperavam ver umha procissom da “semana santa” aparecêrom um grupo de activistas lgbt e simpatizantes a portarem um armário enfeitado para a ocasiom a modo de “cruz”, umha enorme bandeira das 6 cores e cartazes em que se podiam ler palavras de ordem 'pola liberdade sexual e de género', contra a psiquiatrizaçom obrigatória das pessoas trans e contra a lgbtfobia em geral.

Além do mais, nestes dias tinham decorrido com sucesso os primeiros Encontros lgbt da Galiza, organizados pola federaçom galega de colectivos lgbt Aturuxo, e de cuja convocatória já informámos dias atrás.

Iniciativas populares como estas levam à rua a voz de um activismo mais frontal pola liberdade sexual e de género.

 

Voltar à página principal