Grande-Marlaska rectifica: agora o galego já é "umha língua ou idioma"

8 de Fevereiro de 2008

Grande-Marlaska respondeu à denúncia pública realizada nos últimos dias pola esquerda independentista galega, que atingiu algum eco nos meios de comunicaçom mais autónomos dos critérios políticos hegemónicos, e rectificou o insulto à condiçom idiomática do nosso povo.

O que no dia 28 de Janeiro era "dialecto gallego", passou a ser "la lengua o idioma gallego", junto à assunçom do "erro" cometido e o reconhecimento genérico à configuraçom lingüística do Estado nos termos que é recolhida na Constituiçom espanhola de 78.

Independentemente da escassa credibilidade que merecem as palavras de desculpa, na medida que seria impensável um 'lapus' semelhante referido ao idioma hegemónico do Estado, o certo é que a rectificaçom do magistrado da antidemocrática 'Audiência Nacional' constitui umha pequena vitória para os sectores que denunciárom publicamente esse ataque à nossa dignidade como povo.

Assim foi valorizado por NÓS-Unidade Popular num comunicado, em que fai um reconhecimento explícito ao papel de meios como Vieiros e Gznacion, e a entidades como Esculca e a Associaçom Galega da Língua. Com igual clareza, NÓS-UP sublinha o "silêncio sepulcral" da Mesa pola Normalizaçom Lingüística e do Movimento polos Direitos Civis, além do papel vergonhoso da Junta da Galiza.

A intoxicaçom mediática continua

Por outra parte, há que salientar o tratamento dado a esta rectificaçom por meios de comunicaçom como Faro de Vigo, El Correo Gallego ou mesmo A Nosa Terra, entre outros, que numha exibiçom de falta de elementar profissionalismo, afirmam, citando a Agência EFE, que o caso do 'dialecto gallego' aconteceu numha 'sentença' (sic) sobre 'crime organizado (sic).

Frente a tam delirantes 'informaçons', ganha mais relevo a seriedade de meios como os referidos anteriormente, que informarom com rigor do processo desde o início.

 

Voltar à página principal