IU concede o maior subsídio económico ao integrismo católico em Ferrol

23 de Março de 2008

A coordenadora de Confrarias católicas de Ferrol mostrou publicamente a sua gratitude polo apoio económico do Governo municipal, que lhe deu nada menos que 70.000 euros para a organizaçom das suas procissons e o arranjo dos 'pasos' e outros elementos de culto que nestes dias passeiam polas ruas ferrolanas, imitando a semana santa andaluza.

NÓS-Unidade Popular foi a única força política nessa cidade que alçou a voz para denunciar a atitude de um governo dito 'progressista' e supostamente laico, que dedica o dinheiro público ao financiamento dos sectores mais ultras da Igreja Católica.

É, nesta ocasiom, Izquierda Unida, a força que directamente entrega semelhante quantidade a Meca Arcos, ex-dirigente do PP que lidera os grupos organizadores da chamada 'Semana Santa', trazida a Ferrol polos militares espanhóis como imitaçom das celebraçons católicas andaluzas.

Recorde histórico

Meca Arcos e o bispo de Mondonhedo-Ferrol, Manuel Sánchez Monge, mostrárom publicamente a sua gratitude ao governo 'progressista' ferrolano

É verdade que todos os governos municipais de Ferrol tenhem financiado nos últimos 30 anos, como durante o franquismo, as festas da Igreja Católica, apesar de supostamente estarmos num Estado aconfissional. Porém, desta vez o apoio económico às confrarias católicas é o maior da história e vem directamente da líder galega de IU, que deixa em evidência os limites do seu projecto político como força 'alternativa' ou 'de esquerda'.

Em concreto, a administraçom municipal, em maos do PSOE e IU, pactuou com as confrarias um financiamento anual de 70.000 euros fixos até 2011 (quer dizer, 45% de aumento sobre as ajudas anteriores), que será revisto e aumentado segundo o IPC cada doze meses. Eis a política social do governo PSOE-IU!!

O Almirante foi o pregoeiro

O Almirante ferrolano Francisco Torrente Sánchez exerceu na ediçom deste ano de pregoeiro da Semana Santa ferrolana, dando mostras da íntima ligaçom entre a instituiçom militar espanhola e a celebraçom católica; de facto, militares armados costumam participar activamente nas procissons, como se vê na foto acima.

NÓS-UP lembrou num comunicado a filiaçom política dos dirigentes das confrarias, nomeadamente de Meca Arcos, de família franquista e ex-vereadora do Partido Popular em Ferrol, representante do nacional-catolicismo numha das cidades de maior tradiçom operária da Galiza.

Será que a cultura nom tem necessidades maiores em Ferrol ou estamos diante de outra força política, IU, disposta a vender-nos a ladainha do 'governo para todos' que, na realidade, se converte num 'governo para os de sempre'?

 

Voltar à página principal