Em maos do crime organizado: Fenosa quer queimar materiais radiactivos em Meirama

23 de Dezembro de 2007

Nom é exagero próprio das mentes conspiradoras dos comunistas. É a realidade dos factos postos em evidência polo jornal corunhês La Opinión, que no passado dia 22 publicava umha informaçom segundo a qual Unión Fenosa, conhecida multinacional do sector energético, pretendia queimar resíduos nucleares procedentes da central nuclear de Zorita na térmica de Meirama.

Eram entre 15 e 40 toneladas de resíduos procedentes de Zorita (Guadalajara, Espanha), onde a central nuclear está a ser desmantelada. A multinacional nom terá advertido a Junta de semelhantes planos criminosos, alegando que se tratava de "material de construçom desclassificado polo Conselho da Segurança Nuclear" espanhol.

Finalmente, a denúncia de umha vereadora do BNG em Cerzeda tornou público o caso, e a Conselharia da Indústria paralisou a chegada do material radiactivo, enquanto a Conselharia do Ambiente dizia que nom sabia nada sobre tam perigoso transporte em direcçom ao nosso país.

Os criminosos irresponsáveis de Unión Fenosa acabárom por desistir da sua intençom inicial, afirmando que, no futuro, "irám consultar antes de realizar umha operaçom dessas", sem em nengum momento renunciar a tentar queimar materiais radiactivos quando o escándalo público actual for esquecido.

A oligarquia espanhola e galego-espanhola continua a considerar a Galiza umha lixeira onde trazer os restos contaminantes produzidos noutros pontos da península. Desta vez, o operativo foi detectado antes de que conseguisse actuar, mas nom sabemos se já o terá feito noutras ocasions ou conseguirá agir novamente no futuro, umha vez que Unión Fenosa (accionista de Reganosa) deixou claro, mais umha vez, o seu absoluto desprezo pola segurança e a saúde das pessoas.

 

Voltar à página principal