Fidel escreve sobre a Cimeira Ibero-americana

12 de Setembro de 2007

Reproduzimos o texto escrito polo líder revolucionário cubano Fidel Castro, como síntese da Cimeira decorrida no Chile durante o passado fim de semana, e publicado no diário cubano Juventud Rebelde.

O valor das ideias

Che era um homem de ideias.

Com profunda dor escutaria os discursos de posiçons tradicionais da esquerda que fôrom pronunciados na Cimeira Ibero-americana em Santiago do Chile.

Os da direita, assumírom posiçons igualmente tradicionais, fazendo inteligentes concessons à suposta esquerda.

Orgulho sentiria polos pronunciamentos de vários líderes, revolucionários e valentes, com independência de pouca ou muita experiência política de qualquer deles.

A experiência é a mae da ciência e das ideias.

Das batalhas livradas por um punhado de combatentes cubanos num fragmento da Sierra Maestra contra forças extraordinariamente superiores em número e em armas, Che elaborou as ideias que depois sintetizou em seu livro A guerra de guerrilhas.

A crítica de Chávez a Europa foi demolidora.

A Europa, que precisamente pretendeu dar liçons de reitoria nessa Cimeira Ibero-americana.

Nas palavras de Daniel e Evo escuitárom-se as vozes de Sandino e das culturas milenares deste hemisfério.

O discurso que, nessa Cimeira, pronunciou o presidente de El Salvador provoca náuseas.

O capitalismo é um sistema regido por leis cegas, destrutivas e tiránicas impostas à espécie humana.

Dedicar a próxima Cimeira à juventude latino-americana é umha mistura indigerível de cinismo e de mentira para semear reflexos condicionados na mente dos povos.

Fidel Castro Ruz

Novembro 10 de 2007

 

Voltar à página principal