Cámara Municipal da Corunha: 'Projecto Espanha' em estado puro

10 de Janeiro de 2008

A instituiçom municipal corunhesa foi-se configurando no último quartel de século, sob governos absolutos do PSOE, em ponta de lança do projecto nacional espanhol na Galiza. Enquanto a maior parte das instituiçons tenhem jogado a compatibilizar a identidade espanhola com a galega, mediante estratégias 'brandas' de dominaçom ao serviço da espanholizaçom, os governos de Francisco Vasques e de Javier Lousada tenhem aproveitado o seu domínio eleitoral para pisar a fundo o acelerador da espanholizaçom.

Em conluio com boa parte das 'forças vivas' corunhesas (La Voz de Galicia, Caixa Galicia, etc), e apesar de nom ser a Corunha a cidade galega objectivamente mais espanholizada, o PSOE corunhês, com o incondicional apoio do 'opositor' PP, tem-se esforçado em banir qualquer sinal de identidade galega das instituiçons locais, com o idioma do nosso país como principal alvo a abater.

Governo de coligaçom: novas perspectivas?

Agora que o PSOE resolveu pactuar com o BNG o novo governo, após a perda dessa maioria absoluta, comprovamos que um importante sector do PSOE local se resiste a entrar na via bilingüista vigorante no conjunto da Comunidade Autónoma da Galiza. Os colegas de Javier Lousada recusam-se a aceitar umha Ordenança similar à existentes noutras cámaras municipais e inclusive a assinar documentos oficiais redigidos em galego.

Também o PP de Carlos Negreira adere à 'linha dura' do PSOE corunhês mais espanhol, com o objectivo de neutralizar qualquer homologaçom da Corunha institucional com as restantes cidades e vilas galegas, que praticam umha política de 'amável' assimilaçom do galego.

O PSOE corunhês está envolvido na assimilaçom aberta e despudorada, reafirmada por décadas de extremismo espanholista. Contodo, convém que as posiçons extremas do PSOE -e do PP- da Corunha nom nos fagam acreditar que no resto da Galiza exista umha política lingüística normalizadora para o galego.

Na realidade, em toda a Galiza, sem excepçom, todas as instituiçons trabalham pola definitiva imposiçom do espanhol, e fam-no com resultados verificáveis quantitativa e qualitativamente. Quanto ao BNG, apesar das suas maiores simpatias pró-galegas, nom representa nengumha alternativa real em termos de política lingüística, ao ponto de ter cedido essa área ao próprio PSOE na negociaçom do actual pacto de governo na Junta da Galiza.

A Corunha vasquista e lousadista, no fim de contas, representa só umha versom aberta e sem complexos, em estado puro, de um mesmo projecto para a Galiza: o 'Projecto Espanha'.

 

Voltar à página principal