Dous em cada quatro habitantes de Ferrol rejeitam a presença de Reganosa no interior da Ria

26 de Setembro de 2007

Apesar dos importantes subsídios encobertos através de publicidade que recebe da própria REGANOSA, o jornal ferrolano Diario de Ferrol publicou os resultados de um inquérito realizado pola empresa Proxectos, sobre política municipal, incluindo umha pergunta relativa à presença da indústria gasística de REGANOSA em solo do concelho de Mugardos.

E apesar das reservas que poda provocar um estudo realizado por umha empresa jornalística financiada em parte pola própria REGANOSA, os resultados som concludentes: dous terços da populaçom de Ferrol (66%) mostrou-se "em desacordo" ou "muito em desacordo" com a localizaçom actual dos depósitos de gás, enquanto 11,3% manifestou estar "de acordo" ou "muito de acordo" com a mesma. Os restantes 21% ficariam "indiferente" perante o conflito, segundo este inquérito.

Da mesma forma, 65% concorda com que os depósitos sejam levados para o porto exterior localizado à entrada da ria, enquanto 23,4% nom é por esse possível translado. Naturalmente, os "democratas de toda a vida" que ocupam as instituiçons nom vam ter em conta essa contundente tomada de posiçom do povo de Ferrol, a nom ser que, além de ter opiniom, a maioria social incremente a pressom popular contra a imposiçom de umha bomba-relógio no interior da ria.

Nova manifestaçom no próximo domingo

O Comité de Emergência da Ria de Ferrol convocou umha nova manifestaçom para este domingo, dia 30 de Setembro, ao meio-dia, com saída no porto de Corujeiras. Umha mobilizaçom em que voltará a reclamar-se a paralisaçom definitiva da actividade gasista na ria de Ferrol.

Achamos importante que, para além da própria populaçom da comarca trasanquesa, também acudamos a Ferrol galegos e galegas de outros pontos do País, nom só por solidariedade com a populaçom dessa comarca. O rechaço desta perigosa indústria de enclave tem carácter estratégico pois volta a reduzir a Galiza a elo de ligaçom energético entre as companhias fornecedoras e a energeticamente deficitária Espanha.

Mais umha vez, as instituiçons e partidos espanhóis, agora com o decidido apoio do BNG, impedem o nosso desenvolvimento endógeno e sustentável, instalando-nos indústrias poluentes e perigosas ao serviço da parasitária burguesia galega e do centro oligárquico espanhol. E isso merece umha resposta em chave nacional e de classe por parte do conjunto do nosso povo trabalhador.

Quanto a nós, os e as comunistas organizadas em Primeira Linha, nom temos dúvidas: estaremos domingo em Ferrol para voltar a berrar que a ria é nossa, e nom de REGANOSA.

 

Voltar à página principal