Nada que ocultar: galegos, independentistas e republicanos

30 de Janeiro de 2008

Finalmente, a justiça espanhola confirmou as suspeitas, e imputou os quatro independentistas galegos, militantes de NÓS-Unidade Popular, detidos em Vigo após a manifestaçom convocada por Causa Galiza no dia 6 de Dezembro, acusados de queimar um boneco que representava Juan Carlos I de Bourbon.

De nada serviu que Alexandre esclarecesse perante Fernando Grande-Marlaska que foi só ele quem queimou o boneco. O juiz imputou os quatro por queimar o boneco ou dar cobertura à queima, e transladou o auto ao procurador que deverá determinar qual a decisom final sobre o seu julgamento. O alegado 'delito' foi definido por Grande-Marlaska como "injúrias graves à Sua Majestade o rei de Espanha".

Tal como anunciou NÓS-UP, um autocarro cheio de solidárias e solidários galegos viajou toda a noite até Madrid, para acompanhar os independentistas. Aos quase 60 galegos e galegas, somárom-se representantes e militantes da esquerda anticapitalista madrilena, como Izquierda Castellana ou Corriente Roja.

Os intelectuais Carlos Taibo e Agustín Mora também aderírom à concentraçom, tal como Pepita Seoane, mae de Carlos Cela, trabalhador e solidário do SRI detido na passada semana na Corunha pola polícia espanhola sob a injustificada acusaçom de "terrorismo".

Numerosas bandeiras da Galiza, junto a algumhas de Castela e da República espanhola dérom cor a um acto em que nom deixárom de ser coreadas palavras de ordem soberanistas e solidárias. Umha faixa de 12 metros de comprimento orientou-se para o edifício judicial, manifestando a solidariedade e as aspiraçons soberanistas e republicanas do nosso povo.

Os quatro companheiros figérom as suas declaraçons na Audiência Nacional em galego, contando com um intérprete.

A saída dos acusados, já imputados, foi ovacionada e acompanhada do grito de "A Audiência Nacional nom nos calará", e foi seguida de umha conferência de imprensa em que NÓS-Unidade Popular informou aos meios presentes da situaçom processual dos quatro militantes, garantindo que os sectores mais conscientes do povo trabalhador galego continuarám a dar todo o apoio aos galegos e galegas represaliadas por defender ideias políticas soberanistas e republicanas.

Há que lembrar que Alexandre, Sánti, Cris e Carlos enfrentam possíveis penas de entre 6 meses e 2 anos e/ou fortes multas polo simples facto de terem queimado um boneco que representava o rei espanhol, algo totalmente inaudito num Estado verdadeiramente democrático que permita o pleno exercício da liberdade de expressom.

Toda a informaçom sobre a jornada solidária de ontem em Madrid está já disponível no web de NÓS-Unidade Popular, incluindo umha ampla galeria fotográfica.

 

Voltar à página principal