NÓS-Unidade Popular demanda a 'Unión Federal de Guardias Civiles' por calúnias

18 de Janeiro de 2008

NÓS-Unidade Popular fijo público um comunicado em que explica que apresentou umha demanda nos tribunais de Compostela contra o colectivo 'Unión Federal de Guardias Civiles', em resposta às calúnias lançadas polo mesmo contra a formaçom política independentista e socialista galega.

Em concreto, a denúncia de NÓS-UP refere as declaraçons da UFGC publicadas no seu próprio web e noutros de informaçom geral, bem como pola agência de notícias Europa Press, no passado dia 15 de Dezembro, em que afirmava literalmente que NÓS-Unidade Popular estaria "disposta a atentar" (sic).

A seguir, reproduzimos na íntegra o comunicado difundido por NÓS-Unidade Popular:

NÓS-Unidade Popular demanda por calúnias a Unión Federal de Guardias Civiles

NÓS-Unidade Popular quer informar a sociedade galega sobre a iniciativa legal tomada no passado dia 15 de Janeiro em defesa dos seus direitos como legal e legítima organizaçom política galega: umha demanda contra o colectivo ‘Unión Federal de Guardias Civiles’, que no passado 15 de Dezembro de 2007 realizou umhas declaraçons públicas que fôrom recolhidas por agências de imprensa, como Europa Press, e publicadas em distintos meios de comunciaçom em que afirmava que a nossa formaçom política estava “disposta a atentar”, situando-a como alvo para eventuais actuaçons repressivas do Estado espanhol contra a mesma.

NÓS-Unidade Popular pretende com esta demanda contra a UFGC por calúnias fazer frente à sistemática intoxicaçom, promovida por instáncias policiais e alimentada por alguns altifalantes mediáticos, contra a actividade política da esquerda independentista galega.

A criminalizaçom da esquerda soberanista galega e das ideias independentistas nom vai ser assumida nem consentida por NÓS-Unidade Popular, que defenderá sempre a legitimidade do projecto político que representa face aos ataques e intoxicaçons promovidas polos sectores mais reaccionários do aparelho estatal espanhol e polos seus servidores. Tampouco evitará que a nossa formaçom política continue a defender os direitos fundamentais de todas as pessoas, incluídas as vítimas da violência institucional e repressiva.

Neste caso, se nom se produzir umha retractaçom pública do referido colectivo de guardas civis, NÓS-Unidade Popular actuará por via penal ou civil em defesa dos seus direitos fundamentais, reclamando as responsabilidades pertinentes à UFGC.

Direcçom Nacional de NÓS-Unidade Popular

Compostela, Galiza, 16 de Janeiro de 2008

 

Voltar à página principal