Alertam contra a destruiçom do rio Úmia

23 de Agosto de 2007

A activa associaçom cultural O Fervedoiro, de Cúntis, volta a alertar contra a degradaçom do rio Úmia, por causa das barragens e minicentrais hidroeléctricas que, apesar das promessas do bipartido na altura da vitória eleitoral, continuam a ameaçar o futuro dos nossos rios.

A do Fervedoiro e das organizaçons ambientalistas é umha luita antiga que romonta ao tempo em que o PP entregou às multinacionais eléctricas a exploraçom dos rios galegos, e infelizmente continua na actualidade, umha vez que os tímidos passos da Conselharia do Ambiente descartando alguns projectos deu passagem a novos empreendimentos hidroeléctricos.

No caso do rio Úmia, trata-se de um projecto com licença do anterior governo autonómico, e O Fervedoiro lembra que carece de licença municipal, apesar do qual a passividade caracteriza a política local desde que no passado mês de Abril começárom as obras. Cúntis é governado na actual legislatura por umha coligaçom entre o PSOE e o BNG.

A entidade sociocultural de Cúntis denuncia a existência de explosons na bacia do rio, o que está a produzir graves prejuízos ambientais sem que as instituiçons públicas tomem medidas, apesar dos estudos científicos que alertam sobre os efeitos da construçom da minicentral no Úmia. Os movimentos de terras no ecossistema fluvial, as substáncias tóxicas utilizadas, a destruiçom física da vegetaçom e as alteraçons térmicas nas águas som alguns dos efeitos da agressom sofrida polo rio, sem que haja nengum benefício público num projecto ao serviço da predaçom ambiental do nosso território.

 

Voltar à página principal