Embaixador venezuelano na ONU assinala capitalismo como responsável polo aquecimento global

26 de Setembro de 2007

O embaixador venezuelano na Organizaçom das Naçons Unidas (ONU), Jorge Valero, assinalou com clareza o irracional e selvagem capitalismo como responsável directo polo aquecimento global que padece o planeta, sendo os países chamados desenvolvidos os principais agentes desse modelo ambientalmente insustentável.

Se os responsáveis som umha série de estados privilegiados no sistema-mundo capitalista, o embaixador bolivariano lembrou que é o conjunto da populaçom mundial, nomeadamente a que habita os países pobres, que sofre as conseqüências da deterioraçom ambiental em escala global.

Rompendo com o discurso habitual nas instituiçons internacionais, que tenta repartir arbitrariamente as responsabilidades, Jorge Valero acrescentou que "a maioria dos pobres nom tem nengumha responsabilidade no aquecimento global. Os responsáveis pretendem continuar a sua política de consumo de recursos naturais para maximizar os seus lucros, favorecendo as transnacionais sem medirem o impacto ambiental nem o desenvolvimento sustentável".

O embaixador venezuelano acrescentou, durante os trabalhos da Conferência Internacional sobre a mudança climática na ONU, que "para reduzir os efeitos, é mister introduzir mudanças radicais no modelo de crescimento irracional imperante hoje", pondo como exemplo o incumprimento do Protocolo de Kyoto pola totalidade de estados assinantes.

Compromissos da Venezuela com o ambiente

Valero confrontou a actuaçom do seu governo com esse modelo predador, apesar de nom ter obrigaçons concretas legais na matéria de reduçom de gases de efeito estufa. Em concreto, referiu a Revoluçom Energética em curso na Venezuela, incluindo a substituiçom gratuita de 52 milhons de lámpadas por modelos de baixo consumo em todo o país, a tecnologia com total ausência de chumbo na elaboraçom de gasolina, a Missom Árvore para plantar 100.000.000 de sementes em cinco anos, ou o desenvolvimento de fontes de energia alternativas à queima de combustíveis, como a hidroeléctrica.

Também fora das suas fronteiras, a Venezuela participa em projectos de integraçom continental americana, para o envio de energia limpa, barata e acessível até a Argentina, que irá supor a redude 2/3 dos 230.000.000 de CO2 queimado na actualidade, substituindo-o por gás.

Jorge Valero proclamou o compromisso venezuelano com as metas do desenvolvimento marcado na chamada Cimeira do Milénio, para atingir uns novos relacionamentos humanos e solidários, incluindo o respeito pola natureza. Tais objectivos fam parte do que o embaixador definiu como Socialismo Bolivariano, impulsionado polas forças revolucionárias venezuelanas "em benefício do nosso povo e dos povos dos países irmaos do mundo".

 

Voltar à página principal