A Venezuela bolivariana prevê declarar-se livre do analfabetismo em 2004

2 de Janeiro de 2004

Em apenas seis meses, o governo venezuelano conseguiu alfabetizar 1 milhom de pessoas em 2003, através do projecto intitulado como Missom Robinson (de Samuel Robinson, o pseudónimo de Simón Rodríguez, professor do Libertador Simón Bolívar). Nos últimos 20 anos, o país tinha alfabetizado menos de 300 mil pessoas.

Para Julho de 2004, o presidente Hugo Chávez espera alcançar a marca de um milhom e meio de pessoas aptas a ler e escrever, e assim eliminar o analfabetismo da Venezuela. "Em 5 de Julho de 2004 deve-se graduar um milhom e meio de analfabetos e declararemos a Venezuela zona livre de analfabetismo", afirmou Chávez.

Já existem 690 mil pessoas incorporadas à Missom Robinson 2, que pretende levar os estudantes para além da alfabetizaçom, para que alcancem o quarto grau em dez meses e com dez meses mais concluir o sexto grau e estudar outro idioma e computaçom.

Os dados dos seis primeiros meses do programa fôrom resenhados polo coronel Marcos Hernández, secretário executivo da Comissom Presidencial da Campanha de Alfabetizaçom: "incorporárom-se até hoje 1.250 mil patriotas, em 80 mil aulas, com 120 mil facilitadores voluntários, e fôrom feitos exames em 929.716 pessoas com problemas de vista, resolvendo-se 80% dos casos, umha soluçom extraordinária para a principal causa de abandono dos estudos".

A meta está sendo cumprida com inspiraçom e técnica de "um dos grandes êxitos da revoluçom cubana", segundo Chávez. A reduçom do analfabetismo em Cuba de 23,6% a 3% em apenas um ano aconteceu com a implantaçom, em 1961, do método "Sim, eu podo".

Ao passo que os métodos usuais se apóiam em funcionários públicos ou pessoas contratadas para tal fim, o cubano destaca a participaçom massiva do voluntariado, utilizando em sua realizaçom os centros de trabalho, fábricas, granjas, cooperativas, sindicatos, escolas noturnas. A abordagem cubana centra-se na qualificaçom para o trabalho e na aprendizagem de tecnologias, objectivo principal da Unesco em educaçom para o decénio 2003-2013.

Na América Latina, 12% da populaçom é analfabeta, e calcula-se, conservadoramente em cifras absolutas, em 42 milhons os iletrados e 110 milhons de pessoas jovens que nom conseguiram concluir a educaçom primária, o que os fai serem considerados semianalfabetos ou analfabetos funcionais.

O método de alfabetizaçom cubano "Sim, eu podo", programa criado polo Instituto Pedagógico Latino-americano e Caribenho de Cuba (IPLAC), que tem como objectivo ajudar os povos do terceiro mundo afectados por este flagelo, é disponibilizado aos governos e instituiçons que desejem combater o analfabetismo, como tem sido o caso da Venezuela que conta com umha missom cubana acompanhando o processo de alfabetizaçom em massa. Na Argentina, grupos voluntários implantárom o método cubano em 240 centros de alfabetizaçom com 1500 participantes no país, acreditando que através deste é possível acabar com o analfabetismo na América Latina.

Chávez, que parece gostar de grandes metas e datas históricas, prometeu, como projecto futuro da revoluçom bolivariana, erradicar a pobreza e a exclusom na Venezuela até 24 de Junho de 2021, data na qual se celebrará os 200 anos da batalha libertadora de Carabobo.

 

Voltar à página principal