O povo checheno nom se resigna ao genocídio: 40 mortos no metro de Moscovo numha acçom da resistência

6 de Fevereiro de 2004

Hoje de manhá, na hora de ponta, no metro de Moscovo explodiu umha potente bomba numha acçom suicida que matou entre 40 e 50 pessoas. É o berro desesperado da resistência, que resposta assim o genocídio silencioso que o imperialismo russo aplica na Chechénia, onde dezenas de milhares de pessoas tenhem sido assassinadas e o país destruído na última década.

Um quilo de TNT segurado por um ou umha activista deflagrou incendiando o túnel e os vagons do metro, sendo evacuados a seguir 700 passageiros e passageiras.

O ataque ao metro de Moscovo coincide com a sentença de cadeia perpétua contra dous caucasianos acusados de terem trasnportado os explosivos para a ocupaçom do teatro Dubrovka em 2002.

Lembremos que o próprio presidente russo, Vladímir Putin, ordenou o assalto do teatro, provocando a morte de quase 200 reféns e de todos os seqüestradores e seqüestradoras, membros da guerrilha independentista chechena.

Entretanto, o exército russo continua a ocupar o território checheno, em contra da vontade da imensa totalidade da populaçom, que sofre a sanguinária repressom das forças imperialistas.

 

Voltar à página principal