Intensa actividade guerrilheira fai treze mortos entre ocupantes e sipaos no Iraque

23 de Janeiro de 2004

Um comandante da Guarda Civil espanhola ficou irreversivelmente ferido de um tiro na cabeça quando ocupava umha escola rural à procura de insurgentes. Trata-se de Gonzalo Pérez García, quem, segundo lembrou o diário basco Gara, foi processado, sendo tenente, durante as pesquisas pola morte de um jovem independentista basco, Mikel Zabalza, cujo cadáver aparecera no rio Bidasoa após ter sofrido duras torturas no quartel de Intxaurrondo (Donóstia).

O comandante espanhol fazia parte de um operativo contra-insurgente, e foi atingido na cabeça quando perseguia um veículo conduzido por membros da resistência patriótica iraquiana, em Nasirija.

Nom foi essa a única baixa impingida pola guerrilha iraquiana às forças imperialistas nas últimas horas. Até 13 membros das forças ocupantes e do colaboracionismo iraquiano caírom sob o fogo insurgente. Polícias, militares e empregados a soldo das forças de ocupaçom fôrom vitimados em Baquba, Mosul, Faluja e Habbanijah. Além disso, três militares ianques ficárom feridos ao explodir umha bomba à passagem de um grupo de veículos perto de Mosul, e seis soldados das forças sipaias iraquianas morrêrom também em acçons da resistência. Deve-se ainda acrescentar a morte de três mulheres iraquianas empregadas numha base estado-unidense.

No dia 21 de Janeiro fôrom dous soldados ianques os mortos em ataques com morteiros, em Baquba, ficando um terceiro em estado crítico. No mesmo ataque, diversos veículos militares norte-americanos ficárom destruídos.

Ante o avanço da luita guerrilheira, a chamada "Autoridade Provisória da Coligaçom", quer dizer, a administraçom ocupante imposta polos EUA, aprovárom a articulaçom de corpos paramilitares formados por iraquianos para protecçom da segurança nas redondezas do oleoduto que une Kirkuk com Ceihan, no Norte do país. Esse oleoduto está fechado devido às contínuas sabotagens da resistência. As forças imperialistas pretendem situar cinco paramilitares por quilómetro de oleoduto, com um custo mensal por quilómetro de 450 dólares.

A crescente proliferaçom de forças paramilitares organizada pola ditadura militar estrangeira nom está evitando que as guerrilhas patrióticas causem importantes danos e evitem o domínio do país por parte do imperialismo.

 

Voltar à página principal