AGIR impede a realizaçom de um acto militarista na Universidade de Compostela

A terça-feira 4 de Novembro às 10 hh, militantes de AGIR impedírom a inaguraçom das I Jornadas Sociedade e Defesa, que se pretendia celebrar na Faculdade de Direito da USC. Na inaguraçom das Jornadas iam participar junto com dous mandos do exército espanhol, o Reitor Seném Barro e o professor espanholista Roberto Blanco Valdés.

AGIR resumiu os motivos para que a realizaçom desta acçom deste jeito:

1. As chamadas I Jornadas de Sociedade e Defesa estám organizadas polo "Instituto Español de Estudios Estrategicos", organismo militar dependente do Ministério da Defesa, conjuntamente com a Escola de Administraçom Pública e a USC. Nas charlas participam altos mandos do exército espanhol junto com conhecidos professores fascistas, como Roberto Blanco Valdés, que aliás exerce de Director.

2. A mera presença de altos mandos militares espanhóis nas salas de aulas universitárias galegas supom umha burla aos milhares de estudantes que se manifestárom há apenas uns meses contra o intervençom imperialista no Iraque. Actualmente o exército espanhol está a cumprir o papel de força invasora neste país, e foi assinalado pola resistência iraquiana como responsável polos milhares de mortes provocadas pola agressom e posterior ocupaçom do Iraque.

3. Supom tamém umha burla ao conjunto do povo galego por ser o exército espanhol umha instituiçom que tem como principal objectivo impedir a livre autodeterminaçom de Galiza.

4. Precisamente estas charlas servirám para dar sustento ideológico à nova doutrina de defesa imposta polos EUA e adoptada como própria polo Estado espanhol, que serviu para justificar as últimas agressons imperialistas contra o Afeganistám e o Iraque.

5. É vergonhoso que a USC conceda créditos de livre configuraçom por assistir a conferências dadas por altos mandos militares, onde se vam a justificar agressons e ocupaçons imperialistas que tivérom como resultado o assassinato de milhares de pessoas.

6. A celebraçom destas Jornadas som mais um passo na entrada do exército espanhol nos centros de ensino galego. Som já habituais as conferências de recrutamento nos centros de secundário, e cada vez mais freqüente a presença de altos mandos militares em charlas nas salas de aulas universitárias.

7. AGIR fai um chamado ao conjunto do estudantado para que impida a celebraçom deste tipo de actos e denuncie o colaboracionismo das equipas reitorais e de certo professorado na organizaçom das mesmas.



Voltar à página principal