COMUNICADO NACIONAL DE IMPRENSA DE NÓS-Unidade Popular

O BNG VETA A ENTRADA DE NÓS-Unidade Popular NA PLATAFORMA CIDADÁ NUNCA MAIS



Na reuniom da Plataforma Cidadá Nunca Mais, celebrada no passado Sábado, dia 11 de Janeiro, no Restaurante Paz Nogueira, em Compostela, o BNG impediu a entrada das organizaçons da esquerda independentista em dita Plataforma. NÓS-Unidade Popular solicitara formalmente já a começos do mês de Dezembro a sua entrada em Nunca Mais. Na citada reuniom, o BNG, instrumentalizando organizaçons próximas (Galiza Nova, ADEGA, FEG, CIG, CAF, etc...), vetou a entrada de NÓS-Unidade Popular, ao tempo que sim concediam a entrada a outras organizaçons, tais como CCOO, UGT, o Colégio Oficial de Psicólogos da Galiza, etc... NÓS-Unidade Popular já fai parte das plataformas comarcais de NUNCA MAIS em diversas localidades.

Segum pudo saber NÓS-Unidade Popular, desde um primeiro momento membros do BNG presentes na reuniom impedírom que se tratasse o tema das novas incorporaçons no princípio da reuniom, obrigando a que fora tratado ao final da mesma, já perto das dez da noite. Quando houvo que tratar as petiçons de novas incorporaçons (mais de quinze organizaçons solicitaram a entrada na Plataforma), o membro do BNG, e representante da CIG na reuniom, Ramiro Oubinha, indicou, em nome da Gestora da Plataforma, que nom havia nengum reparo em que entrassem as organizaçons que assim o solicitarem, menos no caso das organizaçons independentistas, nomeadamente, NÓS-Unidade Popular. Como resultado do debate a que deu lugar essa intervençom, produziu-se umha votaçom, que se desenvolveu de forma completamente irregular, na qual 14 organizaçons eram favoráveis a entrada de todas as organizaçons que o solicitavam, 16 eram partidárias de nom permitir a entrada das organizaçons independentistas que assim o solicitavam (NÓS-Unidade Popular, AGIR e AMI), mas sim do resto, e 7 eram partidárias de que nom entrasse nengumha organizaçom mais. Os 16 votos que deixárom fora da Plataforma Cidadá Nunca Mais, representavam as organizaçons da órbita do BNG, e que som instrumentalizadas por parte do Bloco sem ter em conta a sua pluralidade (caso da central sindical CIG, à qual pertence umha parte significativa da filiaçom de NÓS-Unidade Popular).

Ante esta situaçom, NÓS-Unidade Popular quer manifestar:

1.- Que condena a manipulaçom e instrumentalizaçom que o BNG está a fazer da Plataforma Nunca Mais, a cujos actos, convocatórias e moblizaçons a esquerda independentista sempre assistiu e pensa seguir assistindo. O BNG pretende empregar a Plataforma como instrumento para gestionar e dirigir a indignaçom e mobilizaçom popular criada ante a maré negra, com vistas a rendibilizá-las em benefício próprio nas próximas eleiçons municipais de Maio.

2.- NÓS-Unidade Popular denuncia a política sectária de marginalizaçom e silenciamento do independentismo por parte do BNG, ao tempo que se permite, sem nengum tipo de problemas nem inconvenientes, a entrada na Plataforma Nunca Mais de organizaçons espanholistas como CCOO ou UGT. Compartilha estratégia o BNG com a direita espanhola no combate contra o independentismo e contra aquelas forças políticas e sociais que aspiram nom só a umha mudança de governo, mas a umha mudança do sistema baixo o que nos obriga a viver o capitalismo espanhol.

3.- NÓS-Unidade Popular fai responsável ao BNG, e às organizaçons por ele instrumentalizadas, da decisom tomada, e quer realizar um chamamento a todas aquelas organizaçons (politicas, sindicais, ecologistas, culturais, vicinais, etc...), que apoiárom a nossa entrada na Plataforma Cidadá Nunca Mais para que nom permitam que o BNG dirija e rendibilize em proveito próprio os actos e mobilizaçons de protesto e denúncia da maré negra sofrida pola nossa Naçom por culpa da dessídia, negligência e irresponsabilidade das autoridades políticas espanholas. NÓS-Unidade Popular seguirá apoiando essas convocatórias e participando das mesmas, além de desenvolver as suas próprias iniciativas.



Voltar à página principal