Acto de desobediência civil de NÓS-Unidade Popular denunciando @s responsáveis da catástrofe nacional

Na manhá de hoje 18 de Dezembro, perto de vinte activistas de NÓS-Unidade Popular de Compostela concentravam-se diante do Hospital de Sam Roque, sede oficial do projecto fraguiano da "Cidade da Cultura". Fazendo suas as declaraçons de Encarna Otero -aginha desautorizadas pola dirigência autonomista da sua formaçom e duramente criticadas por Sanches Bugalho-, a organizaçom política do independentismo pedia que os 80.000 milhons de pesetas que formam a partida orçamentária dedicada a esta obra inútil consagrada a glorificar o presidente autonómico e o seu amigo arquitecto farsante, Peter Eisseman, se dedicassem integramente à recuperaçom económica das zonas afectadas pola maré negra. Já começada a concentraçom, dous activistas vestidos de fato branco e tapados com máscaras pintavam a fachada de dito prévio, r ecordando-lhe às autoridades que o fuelóleo também os vai salpicar, por muito que se agochem trás políticas vergonhosas como a que representa a "Cidade da Cultura". Pintada a fachada (o que foi aplaudido por parte da vizinhança que se congregou no lugar), @s activistas retirárom-se com rapidez, impedindo assim que se produzissem detençons.


NÓS-UP conjugou neste acto a denúncia das autoridades nesta crise nacional com a defesa da liberdade de expressom: ante o silêncio do Concelho e a caçaria de activistas por parte da polícia municipal vam ter mais e mais actividade nossa na cidade.

PROXIMAMENTE PRIMEIRALINHA EM REDE PUBLICARÁ IMAGENS DO ACTO


Voltar à página principal