PAREMOS A GUERRA IMPERIALISTA
Galiza contra o terrorismo do PP

"Aqui há alguns indicadores que som relevantes. As bolsas tenhem subido e o petróleo tem baixado. Os cidadaos já pagam uns céntimos menos pola gasolina e o gasóleo". Assim explicava numhas declaraçons públicas, com grande precisom, a ministra espanhola de Exteriores, Ana Palacio, as razons da guerra imperialista contra o Iraque. Também a imensa maioria do povo trabalhador galego nom tem nengumha dúvida das verdadeiras razons desta brutal agressom levada a cabo por tropas anglo-norte-americanas, com o apoio político, logístico e militar espanhol.

A Galiza dinámica e combativa, a dos centenares de milhares de mulheres e homens que desde Novembro ocupamos as ruas solicitando responsabilidades políticas e penais para os responsáveis da catástrofe do Prestige; que com orgulho e dignidade colectiva denunciamos sem medo a ruína que supom para o nosso país seguir dependendo da Espanha; que reivindicamos umha transformaçom social para superar o injusto sistema capitalista que nos explora e oprime, seguimos nas ruas exercendo a democracia real, para denunciar a barbárie imperialista, o terrorismo do capitalismo contra o povo do Iraque.
A mobilizaçom social massiva e unitária é fundamental para deter a guerra e lograr botar aos criminais do governo de Aznar, que contra a vontade da maioria d@s galeg@s, apoiam o massacre e o genocídio em curso. A democracia espanhola imposta por Franco volta a demonstrar o que realmente é: um regime autoritário ao serviço dumha oligarquia corrupta e criminosa, que despreza a opiniom do povo.

Cumpre incrementar a mobilizaçom social e passar a formas mais contundentes de luita denunciando os responsáveis directos do Prestige e da guerra: o Partido Popular e as empresas anglo-norte-americanas com presença na Galiza. Nom lhes pode sair grátis a sua política fascista. É hora de isolá-los socialmente, de apupá-los em público, de pressioná-los mediante todos os meios, de boicotar os seus produtos, de denunciar sem ambigüidades aos cargos públicos e militantes do PP.

Mas também é hora de incrementar, alargar e radicalizar as luitas, mediante actos de desobediência civil cortando o tránsito, ocupando locais do PP, dificultando a sua actividade, nom contribuindo a guerra mediante a objecçom fiscal.
É hora de convocar umha greve geral contra a guerra, pola demisom e prisom dos responsáveis da maré negra, contra a ofensiva fascista do capitalismo espanhol, contra a repressom, polas liberdades democráticas, para ilegalizar o Partido Popular.

Mas também é hora de denunciarmos sem ambigüidades os oportunistas do PSOE que só aparentam estar contra a guerra porque dá réditos eleitorais. O PSOE é o partido que modernizou o exército franquista, que nos meteu na OTAN, que apoiou a guerra contra o Iraque no 91, contra a Jusgoslávia no 99, contra o Afeganistám no 2001.

NÓS-Unidade Popular manifesta a sua total solidariedade e apoio ao povo do Iraque e cumprimenta a heroicidade, unidade e firmeza que está demonstrando na resistência contra o invasor. Hoje o povo do Iraque é a primeira trincheira de combate contra o imperialismo.
Como organizaçom independentista, socialista e antipatriarcal, mas também internacionalista, apelamos a classe trabalhadora galega, as mulheres e à mocidade a sair a rua contra a guerra, a maré negra e em apoio do Iraque.

Nom mais sangue por petróleo!
O capitalismo é o terrorismo!!
Solidariedade com o Iraque!!



Voltar à página principal