NÓS-UP ante a iminente concessom de licença por parte do Governo espanhol para a instalaçom da planta de gás de REGANOSA em Mugardos

Ferrol, 4 de Fevereiro de 2004

A Direcçom Comarcal de NÓS-Unidade Popular quer fazer pública a sua denúncia pola próxima concessom de licença para que finalmente se efective a construçom da planta de gás em Mugardos. Se finalmente for concedida essa licença, estaremos ante a concreçom de umha grande manobra especulativa e contrária aos interesses económicos e ambientais da Galiza por parte de um grupo de bancos e empresas, algumhas multinacionais (ENDESA, FENOSA, o Grupo Tojeiro, Caixa Galicia, SONATRACH, Caixa Vigo, Caixa Ourense, Caixa Ponte Vedra e o Banco Pastor) em conivência com a Administraçom autonómica e o apoio de todos os partidos institucionais, do PP ao BNG, IU e PSOE incluídos.

Com efeito, a definitiva instalaçom da planta regasificadora em Mugardos significa aprofundar na orientaçom estratégica do nosso país, e especialmente as nossas rias, como verdadeiras lixeiras em que todo vale: papeleiras altamente poluentes, recheios indiscriminados, adiamento indefinido de qualquer saneamento, indústrias perigosas…

No caso da Planta de REGANOSA, trata-se de um projecto que viola normativas ambientais e de segurança internacionais, pola sua proximidade de núcleos habitados, o que a converte numha bomba-relógio que em caso de acidente pode provocar umha autêntica catástrofe. Mas, de novo, os interesses dos grandes grupos económicos ponhem-se à frente dos interesses e a qualidade de vida da maioria.

A novidade na planta prevista para Mugardos é o consenso entre o conjunto de partidos institucionais e organizaçons sindicais da comarca. Partido Popular, PSOE, BNG e IU tenhem manifestado explicitamente o seu apoio ao negócio de REGANOSA. Especial destaque está a ter o BNG na exigência de que a Planta seja instalada "quanto antes", contando com o seguidismo da CIG. O alcaide de Mugardos, dirigente do BNG e da CIG, Xosé Fernández Bárzia, é o último a reclamar celeridade ao Governo espanhol para umha obra que, segundo afirmou nos meios de comunicaçom, é "umha iniciativa de grande interesse económico". Desconhecemos qual poderá ser o "grande interesse economico" que o BNG poda ter no projecto, mas é evidente que para a comarca e para a Galiza a iniciativa de Fraga, Tojeiro, ENDESA, FENOSA e Caixa Galicia é só umha ameaça mais.

É por isso que NÓS-UP quer denunciar novamente o projecto e acusar os diversos partidos e sindicatos de fazerem o jogo a um empresariado alheio à Galiza e responsável pola ruína económica e ambiental da nossa Pátria. Apelamos também a que sejam respeitadas as mais elementares normas de segurança e ambientais que proíbem a instalaçom de um projecto semelhante na nossa Ria, tal como repetidamente tem reclamado o movimento ecologista, movimentos cidadaos da comarca e a própria esquerda independentista.

Voltar à página principal