NÓS-UP reclama em Vigo um transporte urbano público e de qualidade

28 de Março de 2004

NÓS-Unidade Popular reclama em Vigo mudanças na gestom do transporte urbano colectivo, acabando com a privatizaçom de um serviço fundamental como esse, mediante a plena municipalizaçom do mesmo. A organizaçom política independentista propom também algumhas medidas de urgências para o melhoramento do transporte urbano. A seguir, reproduzimos o comunicado feito público por NÓS-Unidade Popular:

 

VITRASA: roubo descarado. Por um transporte urbano público e de qualidade

Ante a intolerável situaçom em que se acha o serviço de transporte público gerido pola empresa VITRASA, de vital importáncia para o município, NÓS-Unidade Popular manifesta:

1.- Que a privatizaçom do transporte regular urbano converteu este num suculento negócio que gera lucros desmedidos à conta d@s usuári@s, das classes populares, que suportam um serviço de ínfima qualidade enquanto uns poucos enchem o peto.

a.- O abusivo preço do bilhete é um atentado contra o direito da populaçom ao transporte público.

b.- A insuficiente freqüência em muitas linhas e, designadamente, no fim de semana, fai com que este serviço seja umha das piores alternativas para se mover polo município.

c.- A isto há que acrescentar a desenvergonhada discriminaçom a que se vem submetidas as paróquias e bairros periféricos.

d.- O óleo que lubrifica esta engrenagem é a vigarice do "bono-bus", descontos que se aplicam para proteger aparentemente sectores desfavorcidos, mas que som pagos por estes mesmos por meio de impostos. No último semestre, a Cámara Municipal entregou à concessionária por volta dos 24.000.000 de euros.

2.- Que o modelo de transporte que padecemos é conseqüência de um modelo urbanístico ao serviço de uns poucos.

Após estas consideraçons, de NÓS-Unidade Popular reivindicamos as seguintes medidas de urgência:

1.- Criaçom dum passe ("bono-bus") específico para o colectivo de pessoas desempregadas

2.- Incremento do número de linhas de autocarro nocturno que dem serviço às paróquias e bairros mais desatendidos.

3.- Aumento da freqüência em paragens com pouca cobertura e aos fins de semana.

4.- Reestruturaçom das linhas para substituir o actual modelo favorecedor da zona centro por um outro radicalmente igualitário.

5.- Ampliaçom da rede de abrigos de passageir@s nas paragens, bem como painéis informativos informatizados, especialmente nos bairros e paróquias da periferia da cidade onde está muito abandonada.

6.- Além destas medidas urgentes que contribuiriam para melhorar o actual serviço, de NÓS-UP entendemos que nom é possivel ter um autocarro público e de qualidade sem acometer imediatamente a plena municipalizaçom do transporte regular urbano inserida numha progressiva municipalizaçom da totalidade dos seviços público. Ésta é a única medida que poderia chegar a pôr o transporte público ao serviço da populaçom.


Voltar à página principal