GALIZA E A DIVERSIDADE LINGÜÍSTICA NO MUNDO. SUBSÍDIOS PARA UM DIAGNÓSTICO ACTUALIZADO DA SITUAÇOM SOCIOLINGÜÍSTICA GALEGA

 

4.- Conclusom: a necessidade de umha nova dinámica normalizadora


Segundo afirmamos quando aclarávamos o conceito de normalizaçom lingüística, citando o irlandês D. FENNELL, para que umha comunidade lingüística recupere a sua língua, minorizada e ameaçada como a nossa, devem cumprir-se algumhas condiçons como que adquira a vontade de salvar-se, e nom se lhe impida tomar as medidas apropriadas para fazê-lo. A partir daí, cumpre-lhe atingir o seu compactamento e posta em prática de umha planificaçom em que o governo deverá jogar o seu papel, mas nom suplantar a iniciativa e vontade de umha colectividade que decidiu já que quer existir como grupo humano diferenciado, contribuindo assim para o enriquecimento geral das sociedades humanas.

Nom existem receitas milagrosas que garantam a salvaçom de umha comunidade lingüística, como também nom pode dizer-se em nengum momento que umha comunidade lingüística esteja condenada a desaparecer. Existem exemplos históricos de povos que perdem a língua apesar de contarem com umhas condiçons objectivas óptimas para a sua recuperaçom, enquanto o caso do hebreu -ressuscitado dos textos religiosos- confirma que de se darem as condiçons subjectivas adequadas, podem salvar-se os contextos mais adversos no caminho da normalizaçom da língua que um povo fai sua.

É claro que o primeiro passo para mudarmos a situaçom adversa em que o povo galego está imerso deve partir da tomada de consciência dessa situaçom. Daí a insistência com que repetimos que cumpre actualizarmos o diagnóstico sobre a saúde do galego. É fundamental que os sectores conscientizados do pulso real da língua se articulem, conformem esse espaço simbólico que dinamize o processo de recuperaçom, e o fagam sem pôr mais impedimentos dos que tal empresa já tem pola presença conflituosa do espanhol como língua hegemónica.

Cumpre, portanto, adoptarmos critérios gerais motivadores para um cada vez maior número de galegos e galegas. Um desses critérios é sem dúvida o reintegracionismo. Quase duas décadas de política e de normativa oficiais tenhem dado mostras da sua incapacidade para mobilizar vontades a favor do idioma. Foi geral -e, em nossa opiniom, errada- a tendência a arrumar o chamado "conflito normativo", cedendo à imposiçom do isolacionismo em nome de avançarmos unidos e deixarmos debates "secundários" para quando o galego estivesse "normalizado". Dessa mentalidade parte a separaçom conceptual entre "normalizar" e "normativizar" assumida polo nacionalismo, e que com a passagem dos anos se tem demonstrado falaz. Aliás, evidenciou-se a autêntica ordem de prioridades do poder: pujo na imposiçom do padrom espanholizador todo o empenhamento que negou nom só ao avanço na normalizaçom do status, senom mesmo ao cumprimento da lei aprovada polas próprias instáncias oficiais.

A norma e filosofia oficiais tenhem servido de pontais na hibridaçom formal entre galego e espanhol, nom já como línguas, quanto como universos culturais autónomos. Esta crescente confussom entre ambos os sistemas -sempre em favor do que de partida era mais forte- funciona como elemento desmotivador na reafirmaçom da identidade galega, e portanto na promoçom de um discurso da responsabilidade social quanto à necessária normalizaçom lingüística (101).

Tudo isto, sem levar em conta o antidemocrático do processo de marginalizaçom e repressom até, dos sectores que contra vento e maré mantivérom alta a bandeira do reintegracionismo, algo imprescindível para hoje podermos falar de reorientaçom da política lingüística e cultural na Galiza.

De outra parte, e nom menos importante, devemos deixar de interiorizar certo discurso maioritariamente estendido que fai recair toda a responsabilidade das deficiências em matéria de política lingüística sobre o poder, concretizado na legislaçom ou no governo. Porque a assunçom desse discurso mantém-nos de algum jeito alheios a essa política, o que por conseqüência provoca, como máximo, a apática simpatia a que já nos temos referido linhas atrás. Devemos estender um novo discurso da responsabilidade, que faga assumir ao povo o protagonismo da luita pola língua, e situe o papel do Estado, governo, ou legislaçom de turno no seu lugar, fundamental e complementar do labor dos grupos sociais articulados, mas nom substituto deles.

Esta nova mentalidade social começa a sementar-se a partir da prática social. Cumpre darmos passos na compactaçom do enfraquecido e disperso espaço simbólico galego e na sua activaçom, recuperando a tensom normalizadora existente anos atrás e superando-a em qualidade e quantidade. Nom podemos continuar a dar paus de cego, senom trabalhar coordenadamente para atingir primeiro espaços comuns de trabalho normalizador e depois ou simultaneamente avanços concretos que sirvam para reforçar a motivaçom social.

A legislaçom, o governo, o Estado,.... virám ao rego como conseqüência dessa acçom social que situe os objectivos lingüísticos por cima das disputas partidárias, obrigando as forças políticas, económicas e sociais a situar-se a respeito do repto normalizador.

Vendo a realidade actual quanto a coesom e acçom social em favor do galego, achamos um deserto onde cada quem clama polo seu lado, enquanto a maioria social fica alheia à política propagandística do poder e às queixas testemunhais de agrupaçons incapazes de aglutinar um corpo social significativo, porventura devido a nem ser essa a intençom dos seus promotores. O fraco movimento normalizador, como outros movimentos sociais, está supeditado a directrizes partidárias, jogando a fazer "oposiçom institucional" (102), mais do que a preocupar-se por dar passos no caminho da galeguizaçom objectiva e efectiva. A sua acçom limita-se amiúde ao aproveitamento do fax e dos espaços informativos que cedem os meios com vistas a ocupar essa quota correspondente aos "galeguistas".

A alternativa passa por, umha vez que se compreende que o protagonismo deve corresponder à sociedade civil, desenvolver medidas necessárias de ordem interna e externa aos próprios organismos normalizadores, entre as que podemos citar:

- A unidade de acçom dos sectores sociais favoráveis à normalizaçom, hoje dispersos por disputas alheias ao objectivo normalizador (pugna entre partidos, p. ex.) ou perfeitamente assumíveis desde um critério aberto e integrador (diversas propostas padronizadoras). Em todos os casos devem ser muitos mais os pontos de encontro, umha vez desterrado o sectarismo imperante na actualidade.

- A posta em funcionamento de espaços físicos onde os galegofalantes das nossas cidades se encontrem, se reforcem e promovam actividades conjuntas que situem o idioma no centro das mesmas. Existe algumha experiência recente no nosso país neste senso, como a Fundaçom Artábria de Ferrol, além das desenvolvidas com sucesso em países como a Catalunha (Via Fora, em Barcelona, p. ex.) ou Euskal Herria (Kafé Antzokia em Bilbo, entre outras).

- A organizaçom sectorial de pessoas atingidas por umha problemática lingüística, como poda ser o ámbito do ensino. As iniciativas neste campo podem ir da desobediência civil ante a gritante discriminaçom de crianças galegofalantes pola inexistência na maioria das cidades de escolas em que o galego seja língua veicular, à aposta pola criaçom de umha rede alternativa de centros sustentados polos próprios pais onde se garanta que o ensino deixa de ser mecanismo espanholizador, do tipo dos promovidos por outras comunidades lingüísticas como a bretoa (escolas Diwan), a basca (Ikastolas) ou a catalá (escolas Bressola, na Catalunha Norte), por citar algumhas cujos resultados som palpáveis.

- O desenho e execuçom de umha planificaçom que leve à progressiva implantaçom de meios de comunicaçom em galego, iniciativa sempre adiada apesar de todo o corpo social pró-galego concordar na sua necessidade. Paralelamente, é fundamental conseguir que as ondas portuguesas -e brasileiras, através dos satélites- cheguem ao nosso país. Isso ajudará a romper preconceitos e incomunicaçons seculares, e agirá como reforço, primeiro, da autoestima lingüística, e segundo, na reorientaçom e construçom de um sistema cultural galego que olhe para o seu ámbito próprio.

- Como pano de fundo, desvinculaçom da movimentaçom lingüística a respeito das organizaçons políticas e assunçom por estas da necessidade de que se ponham ao serviço de aquelas, para evitar que aconteça como hoje, o contrário.

- O papel das instituiçons -Cámaras Municipais, Junta da Galiza, Deputaçons, etc., deve responder a umha procura social perfeitamente verificável e articulada em organizaçons próprias (Entidades normalizadoras, Associaçons de Maes e Pais de Alunos, Comités de Empresa, Associaçons vizinhais, Sindicatos,...) que exijam o desenvolvimento de planos normalizadores concretos para cada ámbito afectado.
Estas e outras iniciativas que todos e todas podemos ter em mente e tantas vezes temos comentado com a frustraçom de nunca levá-las à prática, podem ter nom só o valor objectivo que implicam para a língua, senom também provocar a motivaçom subjectiva da desmobilizada ou inconsciente base social hoje desactivada. Por isso, de partida, nom se precisa de adesons maciças, senom mais bem de grupos qualitativamente capacitados, polo seu compromisso e claridade de ideias, para puxar inicialmente de um processo que sem dúvida terá efeitos multiplicativos desde que se vejam os seus primeiros frutos. E por isso, também, será importante basear umha nova dinámica em projectos construtivos de oposiçom aos hoje dominantes protagonizados polo espanhol, alternativos e capazes de ganhar a cumplicidade primeiro e a adesom depois, de amplas camadas sociais. Paralela e espontaneamente, esta dinámica precisa de organismos populares mais centrados na "reivindicaçom" ou demanda de eliminaçom de entraves para essas e outras iniciativas, dando lugar a umha nova e rica dialéctica social em que o galego ocupe o centro da espiral de progresso.

Provavelmente estas linhas finais podam ser acussadas de utópicas, porquanto efectivamente nom tenhem lugar nesta terra e neste tempo. Porém, ante a realidade esmagadora que vivemos no que di respeito à crise das identidades nacionais nom homologadas polo sistema mundial, achamos mais utópico confiar em que um processo eleitoral, umha legislaçom ou um governo, por si sós, vaiam resolver a crise que o nosso povo atravessa, pois acreditamos que sem a implicaçom directa do mesmo na sua afirmaçom nacional, esta nom lhe virá dada por graça divina de qualquer signo.

A normalizaçom, como plasmaçom prática da independência do nosso povo no plano lingüístico, nom pode converter-se em totem ou abstracçom idealista, sem concreçom no presente. Igual que a autodeterminaçom colectiva, a construçom da naçom e outros objectivos estratégicos como a justiça social, os direitos das mulheres, a liberdade ou o socialismo, só podem efectivar-se a partir da transformaçom radical da base social que aspira a conquistá-los. O reencontro em plenitude entre a língua galega e o povo que a criou unicamente poderá vir da sua vontade expressa enfrentada com a injusta realidade actual que o nega, com vistas à sua superaçom.

 


 

NOTAS

101.- Em palavras de Elvira SOUTO (1999), professora de Didáctica da Língua e a Literatura, "Esta normativa, que tantas vezes se defende em termos pedagógicos como a melhor possível alegando-se que a sua quase-identidade com a do espanhol evita problemas aos escolares (mais problemas se evitariam ensinando umha única língua), na realidade -na realidade da experiência prática- leva anos impedindo esses escolares de adquirirem, em galego, a plena competência lingüística e comunicativa. Por que? Porque a clareza é um dos alicerces mais firmes em que assenta todo o aprendizado lingüístico que nom se limite a simples memorizaçom de algumhas regras ortográficas e gramaticais. E num ensino multilíngüe a clareza só resulta possível de se manterem bem separados os diferentes códigos e se evitarem, na medida do possível, as interferências (mais exactamente, no nosso caso, as transferências do espanhol para o galego)".

102.- Nos últimos meses, mesmo tivemos ocasiom de ver actuar governos municipais nacionalistas em cidades importantes, o que nom varia, senom mais bem confirma, a nossa suspeita de nom jogar-se o futuro do idioma na consecuçom de maiorias eleitorais por parte do nacionalismo institucionalizado.

5.- Bibliografia de referência

ÁLVAREZ CÁCCAMO, C., "Fala, bilingüismo e poder social". In Agália nº 10, p. 135. 1987.
____________________, "Rethinking conversational code-switching: codes, speech varieties, and contextualization". In Proceedings of the Sixteenth Annual Meeting of the Berkeley Linguistics Society, February 16-19, 1990. General Session and Parasession on The Legacy of Grice. Berkeley Linguistics Society, pp. 3-16. Berkeley, 1990
ÁLVAREZ ENPARANTZA, J. L. "Limitações das medidas puramente jurídicas nos processos de normalizaçom lingüística". In Agália nº 43, Outono de 1995, pp. 261 a 268.
AREJOLALEIBA, J., "Dinámica popular de normalización lingüística: la experiencia de "Arrasate Euskaldun Dezagun", in Actas do III Congresso Internacional da Língua Galego-Portuguesa na Galiza. AGAL, Vigo-Ourense, 1990.
BARREIRO, X. R., Historia de Galicia, Ed. Galaxia, Vigo, 1981.
BEIRAS, X. M., O atraso económico da Galiza. Ed. Laiovento, Santiago de Compostela, 1995.
___________ e LÓPEZ, A., A poboación galega no século XX. Ed. Laiovento, Santiago de Compostela, 1999.
BLOOMFIELD, Language. Henry Holt, Nova Iorque, 1933.
BOLINGER, D., Aspects of Langueages. Harcourt Brace Jovanovich, Nova Iorque, 1975.
BOURDIEU, P., "Le champ littéraire", Actes de la Recherche dans Sciences Sociales, nº 89, 1991.
CARAMÊS MARTÍNEZ, X., A imaxe de Galicia e os galegos na literatura castelá. Ed. Galaxia, Vigo, 1993.
CARVALHO CALERO, R., "Sobre a nosa lingua", Grial, nº 64, Abril-Junho de 1979, p. 144.
____________________, Umha voz na Galiza. Ed. Sotelo Blanco, Santiago, 1990.
CALVET, L. J., Linguistique et colonialisme: petit traité de glottophagie. Ed. Payot, Pariss, 1974.
___________, (Socio)lingüística. Ed. Laiovento, Santiago, 1998. Primeira ediçom em francês de 1993.
Centro de Investigaciones Sociológicas, Uso de lenguas en comunidades bilingües: Galicia. Estudio nº 2.295. CIS, Madrid, 1998.
CASTRO, M., "Detecçom e análise da coloquialidade, expressividade e linguagem enfática proveniente do espanhol", Agália, nº 58, Verao de 1999, pp. 187 a 203.
COMMINS & FAGIN, Principles of Educational Psychology. Ronald, Nova Iorque, 1954.
DE GABRIEL, N., "Escolarizaçom e prática lingüística na Galiza rural do século XIX", Agália 1988, p. 44.
DE TORO, S., Camilo Nogueira e outras voces. Ed. Xerais, Vigo, 1991.
DURANTI, A. Antropología lingüística. Ed. Cambridge University Press. Madrid, 2000.
ENGELS, F., A origem da família, da Propriedade Privada e do Estado. Ed. Avante, Lisboa.
Encuesta sociolingüística de Euskal Herria. Editado polo Governo Basco, o Governo de Navarra e o Instituto Cultural Basco em 1996.
EVEN-ZOHAR, I., "Polysystem Theory", in Poetics Today I, 1-2, pp. 287 a 310, 1972.
FENNELL, D., "Can a shrinking linguistic minority be saved? Lessons from the Irish experience". In Minority Languages Today. Edinburgh University Press, 1981.
FERGUSON, C. A., "Diglossia". In P.P. GIGLIOLI, 1972: Language and Social Context: Select Readings. Penguin books, Harmondsworth, Inglaterra, 1959.
FERNÁN VELLO, M. A. e F. PILLADO MAIOR, A nación incesante. Conversas con X. M. Beiras. Ed. Sotelo Blanco, Compostela, 1989. Co-reeditada em 2000 polas editoras Laiovento e Espiral Maior.
FERNÁNDEZ, M. A., "Mantenimiento y cambio de lengua en Galicia: el ritmo de la desgalleguización en los últimos cincuenta años". In Verba nº 10, pp. 79-129. Santiago, 1983.
_________________, "Coordenadas sociais e dinámica do bilingüismo galego". In Grial nº 110, p. 256 e ss., 1991.
FISHMAN, J., Sociología del lenguaje. Ed. Cátedra, Madrid, 1982.
FREIXEIRO MATO, X. R., Língua galega, normalidade e conflito. Ed. Laiovento, Santiago de Compostela, 1997.
GARCIA NEGRO, Mª P., "Mulleres e idioma galego: analoxia de duas subordinacións". In Direitos lingüísticos e control político. Ed. Laiovento, Santiago de Compostela, 1999.
________________, Sempre en galego. Ed. Laiovento, Santiago de Compostela, 1993.
________________ e X. COSTA CASAS, O ensino da língua: por un cámbio de rumo. Ed. AS-PG, Corunha, 1995.
GONÇÁLEZ BLASCO, Luís, "Um relatório desafortunado". In revista Agália nº 54, 1998, pp. 238 a 244. Resposta a "Por unha política lingüística independentista", tese aprovada polo Congresso da Frente Popular Galega em 1998.
GONZÁLEZ LORENZO, M., Bilingüismo en Galicia, ed. USC, Santiago de Compostela, 1985.
GRIMES, B. F., Etnologue. Languages of the World. Internet, 1996-99.
GUMPERZ J. J., Types of Linguistic Communities. Anthropological Linguistics, 1962.
___________, Discourse Strategies. Cambridge University Press, 1982.
HERRERO VALEIRO, M., Linhas discursivas e ámbitos de análise no discurso sobre a língua na Galiza. Cadernos de Estudos Luso-Galaicos R. Carvalho Calero - M. Rodrigues Lapa. Série Investigação, vol. II: Da língüística social na Galiza. Corunha, 1994.
HOCKETT, C. F., A Cours in Modern Linguistics. Macmillan, Nova Iorque, 1958.
HUDSON, R. A., Sociolinguistics. Cambridge University Press, Cambridge, 1980.
JUNYENT, C., Las lenguas del mundo. Una introducción. Ediciones Octaedro. 1993.
LABOV, W, Sociolinguistic Patterns. Univ. Of Pennsylvania Press. Filadelfia, 1972.
LENINE, V. I., O Estado e a revolução, compilada em Obras Escolhidas, Ed. Avante, Lisboa, 1980.
LETAMENDIA, F., Juego de espejos. Conflictos nacionales centro-periferia. Ed. Trotta, Madrid, 1997.
LE PAGE, R. B., "Problems of description in multilingual communities". In Transactions of the Philological Society, 1968.
LÓPEZ CARREIRA, A., O Reino de Galiza. Ed. A Nosa Terra, Vigo, 1998.
LÓPEZ FACAL, X., Desarticulación y dependencia industrial de Galicia. Ed. Sodiga, Santiago de Compostela, 1977.
LÓPEZ IGLÉSIAS, E., "A dinámica de emprego agrário em Galiza ao longo do século XX; análise das suas tendéncias numha perspectiva comparada". In Estudos en homenaxe ao Profesor X. M. Beiras Torrado. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. USC. Santiago de Compostela, 1995.
LÔPEZ-SUEVOS, R., O outro desenvolvimento. Ed. Novo Século, Corunha, 1990.
LYONS, J., New Horizons in Linguistics. Penguin Books, Harmondsworth, Inglaterra, 1970.
MORÁM, H., "O bilingüismo na perspectiva psico(sócio)lingüística". In Agália nº 21, 1990.
MORENO CABRERA, J. C., Lenguas del mundo. Ed. Visor, Madrid, 1990.
NINYOLES, Rafael L., Estructura Social e Política Lingüística. Ed. Ir Indo, Vigo, 1991 (primeira ediçom de 1975, em espanhol).
NOGUEIRA, C., Población y desarrollo económico en Galicia. Ed. Sodiga, Santiago de Compostela, 1977.
PITARCH, Vicent, "Per una tipologia de la minorització lingüística". In Actas do III Congresso Internacional da Língua Galego-Portuguesa na Galiza. Agal, Ourense, 1992.
PORTAS, M., Língua e sociedade na Galiza, Bahía ed., Corunha, 1997.
PRECEDO LEDO, A., Informe demográfico galego. Ed. Fundación Caixa Galicia, 1999.
ROBINS, R. H. & UHLENBECK, E. M. (eds.): Endangered Languages, Oxford/New York, 1991.
RODRÍGUEZ. F., Conflito lingüístico e ideoloxía na Galiza. Ed. Laiovento, Santiago de Compostela, 3ª ed., 1991.
____________, "A conciéncia lingüística no século XIX en relación coa dos nosos días". In Actas do II Congresso Internacional da Língua Galego-Portuguesa na Galiza. AGAL, Compostela, 1989, pp. 663 a 670.
____________, Análise sociolóxica da obra de Rosalia de Castro. Ed. AS-PG, Vigo, 1988.
SÁNCHEZ CARRIÓN, J. Mª., "El marco sociológico y espacial de una situación bilíngüe", in La problemática del bilingüismo en el Estado español, Instituto de Ciencias de la Educación e Universidad del País Vasco, Zarauz, 1979.
_____________________, Un futuro para nuestro pasado. Claves para la recuperación del Euskara y teoría social de las lenguas. Ed. do autor, Donostia, 1987.
_____________________, Márgenes de encuentro. Bilbao y el Euskara. Aplicación sociolingüística de la territorialidad. Ed. Cámara Municipal de Bilbau, 1999.
SOUTO, E., Sócio-didáctica lingüística. Ed. Laiovento, Santiago de Compostela, 1994.
_________, "Aprender da história". La Voz de Galicia, Outubro de 1999.
SUÁREZ, J. A., The Mesoamerican Indian Languages. Cambridge University Press, 1983.
TATO FONTAINHA, L., História do teatro galego. Ed. A Nosa Terra, Vigo, 1999.
TITONE, R., Le Bilinguisme précoce. Dessart Editeur. Bruxelles, 1972.
TORRES FEIJÓ, E., "Cultura portuguesa e legitimaçom do sistema galeguista: historiadores e filólogos (1880-1891)". Incluído no nº 36 da revista portuguesa História, 1999.
VVAA, Usos lingüísticos en Galicia, II Volume do Mapa Sociolingüístico Galego, RAG, 1995.
VVAA, Estudio sociolingüístico sobre a situación da lingua galega no Concello de Vigo, Universidade de Vigo e Concelho de Vigo, 1998.
WALLERSTEIN, I., O capitalismo histórico seguido de A civilização capitalista. Ed. Estratégias criativas, Lisboa, 1999.
WARDHAUGH, R., Introducción á Sociolingüística. Universidade de Santiago de Compostela, 1992.

 

Voltar ao índice